Compartilhe esta página no: Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Plus



Índice de verbetes



Anna Blackwell



Anna Blackwell (Bristol, Inglaterra, 1816 - 1900) é lembrada no Movimento Espírita como a primeira tradutora das obras de Allan Kardec para o idioma inglês, tendo sido correspondente espírita da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas em Londres. Sua família, que também residiu nos EUA, teve uma relevante trajetória na América, no campo da ciência e movimentos sociais. Em The Spirits' Book (tradução inglesa de O Livro dos Espíritos de Allan Kardec), Anna Blackwell acrescentou um prefácio contendo uma biografia do Codificador Espírita, que, embora seja uma breve biografia, é considerada como a que traz os mais fidedignos traços de Kardec. Além de tradutora, foi professora, escritora, poetisa e jornalista.


Anna Blackwell


Vida pessoal

Anna Blackwell nasceu em Bristol, Inglaterra, filha de Hannah Lane e Samuel Blackwell, um empreendedor do ramo de refinaria de açúcar. Teve quatro irmãos (Samuel Charles, Henry Browne, John e George) e quatro irmãs (Marian, Elizabeth, Emily e Sarah Ellen), sendo Anna a primogênita.

Do Reino Unido, em 1831, seus pais foram para Cincinnati, nos Estados Unidos da América, onde seu pai montou uma refinaria açucareira. Por força dos negócios, a família mudou-se para outras cidades americanas, incluindo Nova Iorque, Nova Jersey e Filadélfia.

Anna e seus irmãos tiveram bons estudos e alguns deles tiveram grande projeção social nos EUA. Elizabeth, por exemplo, fez história ao conseguir o doutorado em Medicina e ser a primeira mulher a exercer a profissão de médica na América. Outra irmã, Emily, seguiu os passos daquela e foi a terceira médica doutora naquele país. Seus irmãos Samuel Charles e Henry Browne foram renomados abolicionistas e ainda ativistas pelos direitos das mulheres.

Além do preponderante apoio aos seus irmãos, Anna exerceu várias atividades profissionais. Junto com as irmãs doutoras Elizabeth e Emily, fundou uma escola de enfermagem para mulheres, foi professora e ainda tradutora de obras francesas para o inglês, por exemplo, livros de George Sand (pseudônimo da baronesa de Dudevant). Há registros de que tenha trabalhado também como jornalista.

As biografias de seus irmãos notáveis salientam a importância positiva e imprescindível de Anna em suas atividades pessoais, denotando o vigor e a capacidade de sua personalidade. A dedicação aos irmãos parece ter sido a causa primordial para Anna não ter se casado.


Envolvimento com o Espiritismo

Não há informações precisas sobre os primeiros contatos de Anna Blackwell com o Espiritismo, porém, pelos registros biográficos de sua irmã Dra. Elizabeth, supõe-se que Anna tenha se transferido para a França em 1849, acompanhando sua irmã médica que se instalou em Paris a trabalho. Foi bem nessa época que eclodiu o fenômeno das Mesas Girantes, primeiramente na América e em seguida na Europa.

Certas fontes dão conta de que Anna fez amizade com o casal Kardec e participava da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, tornando-se, mais tarde, correspondente desta a partir de quando fixou morada em Londres — provavelmente, outra vez, acompanhando a Dra. Elizabeth em outra investida profissional.

Foi durante essa estadia na capital inglesa que Anna Blackwell fez a primeira tradução de O Livro dos Espíritos para o inglês, com o título correspondente The Spirit's Book, em 1876, em cuja edição acrescentou um capítulo preliminar contendo a biografia de Allan Kardec — Biography of Allan Kardec. É desse capítulo biográfico que se vale Arthur Conan Doyle para descrever o Codificador Espírita em sua obra A História do Espiritualismo de 1926.

A propósito, eis um trecho de Anna Blackwell descrevendo o pioneiro espírita:

"Pessoalmente Allan Kardec era de estatura média. Compleição forte, com uma cabeça grande, redonda, maciça, feições bem marcadas, olhos pardos, claros, mais se assemelhando a um alemão do que a um francês. Enérgico e perseverante, mas de temperamento calmo, cauteloso e não imaginoso até a frieza, incrédulo por natureza e por educação, pensador seguro e lógico, e eminentemente prático no pensamento e na ação. Era igualmente emancipado do misticismo e do entusiasmo... Grave, lento no falar, modesto nas maneiras, embora não lhe faltasse certa calma dignidade, resultante da seriedade e da segurança mental, que eram traços distintos de seu caráter. Nem provocava nem evitava a discussão, mas nunca fazia voluntàriamente observações sobre o assunto a que havia devotado toda a sua vida, recebia com afabilidade os inúmeros visitantes de toda a parte do mundo que vinham conversar com ele a respeito dos pontos de vista nos quais o reconheciam um expoente, respondendo às perguntas e objeções, explanando as dificuldades, e dando informações a todos os investigadores sérios, com os quais falava com liberdade e animação, de rosto ocasionalmente iluminado por um sorriso genial e agradável, conquanto tal fosse a sua habitual seriedade de conduta que nunca se lhe ouvia uma gargalhada."
Biografia de Allan Kardec, Anna Blackwell

A Revista Espírita, na edição de março de 1869, traz um artigo intitulado "O Espiritismo em toda parte" assinado por Anna. Ela anota a necessidade de o público inglês conhecer a obra espírita para elucidar e completar os ensinamentos já iniciados pelo do Espiritualismo Moderno na Inglaterra. Ou seja, ela falava da necessidade de levar a obra kardecista para seus compatriotas: "Não é de duvidar que, se as obras da Doutrina fossem traduzidas para o inglês, congregariam numerosos partidários, fixando as ideias ainda incertas" — atestou a biógrafa do Codificador.

Adiante, na edição de novembro da mesma Revista, lemos uma mensagem espiritual assinada por Kardec (recém-desencarnado), conforme o artigo "O Espiritismo e o Espiritualismo", datado de 4 de outubro de 1869, mensagem essa obtida na casa de Anna Blackwell (em Londres), de cujo ambiente fala o comunicante: "Estou mais feliz do que podeis imaginar, meus bons amigos, por vos encontrar reunidos. Estou entre vós, numa atmosfera simpática e benevolente, que satisfaz ao mesmo tempo ao meu espírito e ao meu coração".

Falando da necessidade de unir o Espiritismo francês e o Espiritualismo vindo da América e propagado na Inglaterra, Kardec exprime a confiança em Anna como elo entre esses dois segmentos:

"Há muito tempo que eu desejava ardentemente o estabelecimento de relações regulares entre a escola francesa e a escola americana. Para nos entendermos, meu Deus, bastaria simplesmente nos vermos e trocar opiniões. Sempre considerei o vosso salão, cara senhorita, como uma ponte lançada entre a Europa e a América, entre a França e a Inglaterra, e que contribui poderosamente para suprimir as divergências que nos separam, e estabelecer, numa palavra, uma corrente de ideias comuns, da qual surgiriam, no futuro, a fusão e a unidade."
Allan Kardec (Espírito), Revista Espírita, novembro de 1869 - 'O Espiritismo e o Espiritualismo'

A mensagem finaliza com um apelo claro: "Traduzi as minhas obras! Só se conhecem na América os argumentos contra a reencarnação. Quando as demonstrações em favor desse princípio ali se tornarem populares, o Espiritismo e o Espiritualismo não tardarão a se confundir, tornando-se, por sua fusão, a Filosofia natural adotada por todos".

E ela, como sabemos, tomou para si essa missão. Para tal intento, Senhorita Blackwell foi secundada por um espiritista britânico, Augustin Babin, que fez uma doação de 5 mil francos. Àquela publicação de The Spirits' Book também ofereceu uma grande contribuição financeira Lady Caithness, a Duquesa de Pomar, também conterrânea da tradutora, que, no entanto, mostrou resistência em aceitar a oferta. A duquesa dizia-se ao mesmo tempo católica, espírita e teosófica, o que sugere talvez tenha pretendido influenciar a obra inclinando-a para um certo sincretismo, ao que a Senhorita Blackwell — fiel kardecista que era — não admitiria. Ao final, a contribuição da duquesa foi aceita, sem, entretanto, influenciar no trabalho da fiel tradução.

Já sob a editoração de Pierre-Gaëtan Leymarie, a Revista Espírita na sua edição de setembro de 1876 reconhece, através do artigo "Tradução das obras de Allan Kardec", a presteza da tradutora:

"Embora traduzir fielmente, e de acordo com o gênio de cada idioma, seja um mérito tão raro, uma boa tradução é considerada como tendo o valor do livro original. Por conta disso, faremos o suficiente para agradecer Miss Anna Blackwell, pela sua dedicação à causa da instrução que preocupa milhões de homens, amigos da investigação e da verdade."
Revista Espírita

Além de O Livro dos Espíritos, Anna Blackwell traduziu e publicou na íntegra O Livro dos Médiuns (The Mediums' Book, 1876), O Céu e o Inferno (Heaven and Hell, 1878), além de outros artigos de Kardec que foram publicados por diversos veículos de comunicação no Reino Unido e América.

Nesse contexto, Anna Blackwell é bem lembrada como uma das maiores benfeitoras do Espiritismo.


Referências

  • Revista Espírita de março de 1869, Allan Kardec.
  • Revista Espírita de setembro de 1876, editada por Pierre-Gaëtan Leymarie.
  • Reformador de março de 2008, FEB (revista online)
  • Biografia de Elizabeth Blackwell (em inglês), Wikipedia.
  • Biografia de Samuel Blackwell (em inglês), Wikipedia.
  • Biografia de Allan Kardec, Anna Blackwell (livro online).
  • A História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle (livro online)
  • Artigo "As mulheres fortes do Espiritismo francês" de Adriano Calsone, em Jornal de Estudos Espíritas (ler online)




© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo