Compartilhe esta página no: Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Plus



Índice de verbetes



Maurice Lachátre



Maurice Lachâtre (Issoudun, 14 de outubro de 1814 - Paris, 9 de março de 1900) foi um influente e importante intelectual, escritor e editor francês. Foi um reconhecido ativista contra o absolutismo político e intolerância religiosa da Igreja Católica. Dentre outras obras, foi o responsável pela enciclopédia Novo Dicionário Universal. Simpatizante do Espiritismo, ele é muito lembrado no movimento espírita pela sua relação com o Auto de fé de Barcelona, em 9 de outubro de 1861.


Biografia

Filho do coronel Pierre Denis, barão de La Châtre, Maurice de La Châtre nasceu na comuna de Indre, mudou-se ainda novo para a capital francesa, então em grande efervescência cultural. Em Paris torna-se um ativista da liberdade de expressão, do pensamento de vanguarda e em constante confronto com a Igreja e o regime de Napoleão III. Em consequência disso, é preso em 1857 por haver publicado a obra de Eugène Sue, Mystères du peuple (Mistérios do Povo) — que difundia ideias socialistas — além de ser condenado a pagar uma multa de 6 mil francos.

Um ano depois, publica o seu Dicionário Universal Ilustrado, pelo que é novamente condenado, desta vez a seis anos de reclusão, a cuja sentença não cumpriu, em razão de sua fuga para a Espanha. Estabelece-se na cidade de Barcelona e ali vive até 1870 ocupando-se como livreiro.


O Auto de Fé de Barcelona

Simpatizando-se com as ideias espíritas, ele encomenda a Allan Kardec de uma remessa de livros da nova doutrina. Mesmo tendo cumprido todas as exigências legais para tal, teve as obras confiscadas pelo bispo local, Dom Antonio Palau y Termens, que, evocado sua autoridade junto ao Tribunal de Inquisição, manda queimá-las em praça pública, o que se deu na manhã de 9 de outubro de 1861. O ato provocou maior interesse popular pela Doutrina Espírita e não impediu que as obras doutrinárias chegassem àquela região por outras vias.

Ver Auto de Fé de Barcelona.


Ousadia e convicção

Ousado e convicto de seus ideais, Lachátre não se deixou abater com o Auto arbitrário e continuou ativo. A 27 de janeiro de 1869, sua obra A História dos Papas, que publicara inicialmente em 1842-1843 em 10 volumes, também foi destruída em nome do Santo Ofício católico.

Lachátre retornou à França com a Comuna de Paris e publica o jornal Vengeur, em parceria com o jornalista e ativista político Félix Pyat. Com a derrota da revolta popular e a brutal reação do governo, ele volta a se exilar na Espanha, onde se dedica ao Novo Dicionário Universal — a maior e mais completa enciclopédia até então publicada — da qual o codificador espírita foi um de seus colaboradores.

Depois de receber indulto, retorna a Paris em 17 de maio de 1879, onde iria publicar novas obras literárias, tais como História da Inquisição, Novo Dicionário Universal — revolucionária enciclopédia que, inclusive, incluiu o vocabulário espírita. Também escreveu O Espiritismo, uma Nova Filosofia, na qual faz uma defesa dos conceitos espíritas.

Depois de uma vida intensa, ele desencarnou na capital francesa em 1900.

Ver História do Espiritismo.


Referências

  • Revista Espírita, Allan Kardec - especialmente: Novembro de 1861; Agosto de 1862; Setembro de 1864.
  • Obras Póstumas, Allan Kardec - especialmente 2ª Parte, "Auto-de-fé em Barcelona: Apreensão dos livros".
  • O que é o Espiritismo?, Allan Kardec - especialmente: "Biografia de Allan Kardec, por Henri Sausse"




© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo